Adolescente cristão foi brutalmente torturado por radicais islâmicos

Um adolescente cristão de 15 anos de idade foi severamente espancado e torturado por radicais islâmicos no Paquistão, seu pai descreveu a extensão terrível de seus ferimentos.

“O grupo por motivos religiosos o espancou gravemente. Seu pé foi atingido por uma arma afiada, fazendo com que a pele de seu pé se desprendesse, expondo os ossos”, disse Yousef, pai de Cecil, o menino cristão, à International Christian Concern .

“Cecil ainda está sob tratamento médico e sua vida está sendo ameaçada”, acrescentou ele, observando que a tortura ocorreu em agosto em Karachi. A família cristã foi advertida a não contar a respeito do ocorrido, ou enfrentará outros ataques.

O conflito começou no início deste ano, quando Cecil enfrentou um grupo de estudantes do seminário islâmico que queriam converter os cristãos ao islamismo em sua vizinhança. A princípio, Cecil só foi ridicularizado, mas depois disso uma grupo atacou a casa da família.

Ataque em casa

“Em fevereiro, um grupo armado atacou nossa casa e torturou membros da família, o que resultou em ferimentos leves nas mulheres da família e escoriações na cabeça de Cecil”, disse Yousef. “Eles entraram e quebraram o portão principal da casa à meia-noite”.

“Os agressores quebraram as portas, janelas, ventiladores, móveis, danificaram o veículo e saquearam os objetos de valor, incluindo dois laptops, quatro telefones celulares e dinheiro”, revelou o pai.

Embora uma organização local liderada pela igreja tenha transferido Cecil para um local mais seguro por seis meses, a medida não conseguiu impedir a violenta tortura em agosto. Kashif Anthony, coordenador da Comissão Católica para Justiça e Paz, disse que o ataque ao menino foi “desumano”.

“Esta é uma situação alarmante para as minorias religiosas”, disse Anthony à ICC. “O governo deve tomar medidas sinceras para coibir o extremismo religioso e promover a harmonia religiosa. Todos os cidadãos devem desfrutar de liberdade religiosa e proteção de acordo com as garantias constitucionais”.

Nação dividida

O registro de direitos humanos do Paquistão virou manchete em todo o mundo na semana passada com a absolvição da Suprema Corte de Asia Bibi, a mãe cristã de cinco filhos que passou oito anos no corredor da morte por blasfêmia.

Embora os defensores dos direitos humanos e os grupos de vigilância da perseguição tenham celebrado a liberdade de Bibi, várias organizações alertaram que as minorias cristãs no Paquistão enfrentam perigos crescentes nas mãos de radicais extremistas islâmicos.

“O mundo a viu sofrer, mas hoje, graças à graça de Deus, hoje o mundo se alegra. Sua liberdade dificilmente pode ser chamada de justiça e nada a compensará por seus anos perdidos”, disse Wilson Chowdhry, presidente do conselho paquistanês britânico da Associação Cristã.

Chowdhry continuou: “O Paquistão está exibindo uma intolerância crescente para com os não-muçulmanos que precisa ser combatida por seu governo. Que os extremistas continuem induzindo tumultos e levem o país a um impasse é desconcertante”.

Ele acrescentou: “Apelamos ao governo do Paquistão para assegurar aos cristãos a sua segurança durante estes tempos tumultuosos, além do mais, pedimos às pessoas que orem pela restauração da paz numa nação dividida pelo fundamentalismo”.

 

Fonte:
MCM Povos